Somos Cirandeiras

O significado de cirandeira no dicionário é mulher trabalhadeira. Gostamos deste adjetivo, somos, antes de tudo mulheres trabalhadeiras, na lida da vida, cuidando dos nossos filhos, gerindo nossos negócios, segurando as rédeas das nossas vidas. Mas gostamos também do outro significado: aquela que pertence a ciranda, que anima as rodas. Somos cirandeiras, fazemos parte da ciranda da vida e queremos muito contribuir para que esta ciranda seja mais consciente, mais leve, mais alegre!

Nosso símbolo é o dente-de-leão, também conhecido como esperança no nordeste do Brasil. O seu formato circular combina com a nossa ciranda, além de ser uma florzinha cheia de significados. É o símbolo da inocência e da infância. Suas hastes se soltam, quando madura e semeiam em outros solos, se assemelhando muito à criação de filhos. 

Abra a janela e deixe a esperança entrar na sua casa trazida pelo vento

Juliana Couto

Sou mãe da Hanna (27 anos) e sempre gostei de crianças e de viajar. Nas minhas lembranças de infância e nas fotografias sempre apareço com uma criança nos braços, meu maior sonho era ser mãe de 10. Estive sempre em busca de autoconhecimento e com tantos questionamentos internos. Me encontrei na astrologia, depois fiz o processo Hoffman de quadrinidade, muitas constelações familiares, terapias em grupo e trabalhos individuais. Um desejo latente para me autoeducar!
Minha formação é em Artes Plásticas e me encontrei na Pedagogia Waldorf. A coragem foi crescendo e abri o SER Criança, um berçário Waldorf. É com as crianças que eu realmente me encontro e me entrego. Adoro artes, costurar – herança da minha avó e amo fazer feltragens com lã, bonecas de pano, tricô, crochê, pintar o 7. Tenho muita vida vivida e muito a viver!

Camila Olivieri

Mãe da Beatriz (11) e do Miguel (8). Optei por me dedicar exclusivamente à maternidade desde o nascimento do caçula, diagnosticado com uma síndrome rara. Esse universo foi um convite a autoeducação e busca por caminhos para me conectar com a minha criança e também com meus filhos. Um mergulho profundo de onde tiro fôlego e perco o fôlego muitas vezes! Nessa caminhada pude dar vazão para uma das coisas que mais me dá prazer na vida: cuidar.
Minha formação é em administração – fui empresária por 11 anos. Estudo piano, aromaterapia e a Pedagogia Waldorf. Sou apaixonada por culinária e alquimias com ervas e plantas – herança da minha mãe e avó Lourdes, que carrego com reverência. Sinto-me ainda em construção em todas essas frentes!

Renata Andrade

Sou mãe da Marcela (12 anos) e do Ravi (4 anos). Gosto de me definir como buscadora. Essa foi a minha realidade desde cedo na vida. Entrei no mundo das terapias e da espiritualidade de maneira bem precoce. O autoconhecimento sempre foi uma constante na minha vida. Participei de processos individuais e em grupo que vão desde a escola SAT (eneatipos), constelação familiar até pathwork e astrologia.

Nos últimos anos tenho me especializado em marketing digital de conteúdo, me encanta as infinitas possibilidades que a tecnologia nos dá, permitindo que possamos levar nossa mensagem aos 4 cantos do planeta. Sou arquiteta de formação, artesã e permacultora de coração, eterna aprendiz do xamanismo e cirandeira da maternidade. 

Rafaela Andrade

Sou a caçula do grupo e a única a não viver, ainda, a experiência da maternidade. Mas, sigo aprendendo e me inspirando! Desde muito nova, estou envolvida com a busca pelo autoconhecimento devido ao forte movimento que existe na minha família. Por consequência, fui me conhecendo e me interessando cada vez mais. Assim, ao me descobrir nos processos, fui traçando o meu caminho. Sair da infância não foi fácil para mim. Acredito que me tornar professora foi um bom escape e uma linda oportunidade para continuar em contato com essa fase maravilhosa. Sou pedagoga e dediquei minha formação à Educação Infantil. Conheci a Pedagogia Waldorf e me encontrei. Hoje sou professora Waldorf. Amo os trabalhos manuais, o mundo da fantasia e estudar sobre o desenvolvimento infantil.